12 agosto 2015

Doe Sangue, Doe Vida

Oi, gente!
O post de hoje não é sobre livros e literatura, e sim sobre uma coisa importante que eu fiz e que desejo que todos vocês façam!



No dia 30 de julho,  realizei um dos grandes sonhos da minha vida: doei sangue e entrei pro banco de médula óssea.
Sempre quis doar desde que descobri, na quarta série, que meu sangue, O negativo, era considerado doador universal. Sempre tive boa saúde, e achei que poderia doar. Quando fiz dezoito, já iria doar, mas só agora consegui.
Tenho um primo de 7 anos fazendo tratamento de leucemia no INCA, e com isso,acabei descobrindo que crianças morrem por falta de sangue. Esse foi o impulso que faltava pra doar.
Era 30 de julho , fim das minhas férias, reuni minha coragem e fui até o INCA. Tomei um café da manhã leve e sem gordura como pedem. Chegando lá, fui super bem atendida. Fiz um cadastro, respondi todas as perguntas do questionário de maneira sincera. O questionário é uma série de perguntas como:se você já tinha doado sangue, usado drogas e outras coisas. Logo após, fui chamada para triagem que verifica a pressão, presença de anemia, e mais algumas perguntas. Minha pressão tava um pouco baixa , então, tive que comer antes de doar.
Demorou uns vinte minutos até ir pra sala da coleta. Nós, mulheres, podemos doar de 4 em 4 meses e os homens de 3 em 3. A cada doação são coletados 460  ml de sangue, 450ml de doação em si e 10 ml são usados pra testar seu sangue para doenças como hepatite, HIV, Doença de Chagas e outros.
A doação é rápida, uns 20 minutos apertando a bolinha. Fiquei bem durante toda transfusão, e olha que sempre passo mal em exames, depois que acabou a doação, me senti tonta,mas por minha culpa de ter levantado rápido.
Recebi mais um lanche e fui dispensada. Durante o dia me senti sonolenta, mas é normal, você doa quase meio litro de sangue, né? Segui as recomendações do site, sem peso e muita água e contando os dias pra doar de novo.
Por isso, eu, Ana, através do #Umlivroenadamais estou fazendo a campanha: Doe sangue, doe vida.
Cada bolsa de sangue é dividido e ajuda várias pessoas que passam por cirurgias, acidentes e tratamentos. Então se você tem boa saúde, pode e quer doar , doe sangue. Se morar no Rio, doe no INCA, ajude pessoas no tratamento do câncer. Se não for do Rio, doe apenas.

Doe Médula, não dói

Quando você se cadastra pra doar sangue, peça também pra doar a médula. Como funciona essa doação? Você preenche uma ficha com seus dados-nome, endereço, telefone - e mais 5ml serão coletados de você. Esse sangue sofrerá uma série de testes e farão uma espécie de perfil do seu sangue. Depois disso, parabéns, você faz parte do banco nacional de médula.
Você só será chamada se encontrar alguém compatível e precisando. E então, você doará a médula em si.
O transplante de médula é muito usado em casos de leucemia e ajuda na cura da doença.

Espero que vocês tenham se sentido motivados a doar. Entrem no site do INCA e se informem. Ajudem a salvar vidas, porque é isso que aprendemos com os livros: sermos melhores.



3 comentários:

  1. Otima atitude, quando for maior de idade tbm doarei... moro no rio portanto vou doar pro INCA. Acho que devemos ser super-heróis no minimo 2 vezes ao ano, doando sangue.

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana, tudo bem? Eu tenho vergonha de assumir que não doou sangue por pavor a agulhas :( sou menor de idade mas com a autorização do responsável eu já poderia doar. Morro de vontade e venho trabalhando esse meu "medo" dizendo pra mim mesma que doar sangue é algo incrível! :D Parabéns pra você, fico muito feliz e orgulhosa. :)
    http://autoradeprimavera.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. cara, eu já estava com vontade de doar sangue, mas sempre tive medo e tal, depois da sua postagem eu tomei coragem e vou pesquisar onde doar aqui na minha cidade :)

    ResponderExcluir

Obrigada por lerem! Comentem e deixem seus blogs, vou visitar com toda certeza, e voltem sempre.

Design e Ilustrações por Ilustranos ♥ Desenvolvimento por Moonly Design